quarta-feira, 6 de abril de 2016

De me sentir feliz

Pressentia a sua chegada
De uma fresta de janela eu captava uma hora ou outra
Um fragmento seu
Algum brilho refletido de cabelo
Algum vestígio de poeira arrastado pela saia comprida
Algum ruído de risada deixada no ar
Algum abalo rítimico de um coração acelerado
Algum mistério recém descoberto num olhar cheio de ansiedade
Senti sua falta
Senti falta desse nosso casamento cheio de poréns
Dos nossos cafés conforto
Da nossa existência costurada
Da surpresa que reveste tudo que existe
Do mais simples ao mais complexo ser que anda sobre essa terra
De ver poesia no arroz com feijão de cada coisa cotidiana
De juntar as mãos e agradecer pela oportunidade de estar aqui
Da resistência amolecida, cada vez mais entregue, de te receber na minha vida
Não me deixe mais assim
Sem falar nada, sem se despedir
Há muito te esperava
E te recebo novamente de braços abertos
Felicidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário